Os conteúdos expostos nesta página não têm fins lucrativos. Tem como único objetivo defender a inocência de Michael Jackson.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O ROTEIRO DA PRISÃO DE MICHAEL EM 2003

O doloroso dia em que Michael foi preso em 2003 teve um roteiro deliberado por Tom Sneddon, que esperou nove longos meses para ser executado. Ele cinicamente escolheu o mês de novembro para, além de ser o lançamento do álbum Number Ones de Michael,  declarar que não faria acusações até o dia da Ação de Graças que é comemorado no dia 27 de novembro nos Estados Unidos.

19 de novembro
Em 19 de novembro, a polícia da Califórnia emitiu uma ordem de prisão para Michael e negociou com os seus advogados sobre as condições de entrega.

20 de novembro
Em 20 de novembro, Michael se entregou às autoridades da Califórnia para enfrentar múltiplas acusações de abuso sexual infantil, enquanto as tvs dos Estados Unidos interromperam sua programação normal para mostrar cenas do fato.
Agentes do escritório do xerife de Santa Bárbara esperaram Michael no Aeroporto e o detiveram dentro de um hangar onde estava seu avião.
Poucos minutos depois, as câmeras captaram imagem  de Michael, vestido de preto, sendo escoltado para a prisão central de Santa Bárbara. Foram colocadas algemas em suas mãos. O xerife do condado de Santa Barbara, Jim Anderson, disse que Michael seria fichado, que seriam tomadas suas  impressões digitais. fotografado e ele entregaria o seu passaporte, um processo que durou cerca de uma hora.
Depois, ele foi libertado sob fiança de US $ 3 milhões.

"Ele sente que foi acusado injustamente e vai lutar com unhas e dentes. A guerra é agora e vai usar todas as armas que você tem que lutar contra essas acusações", disse Steve Manning, um amigo que estava em Las Vegas com Michael. Manning disse que a família de Michael viajou para Las Vegas para oferecer apoio moral, após as alegações.

"Percentagem Na verdade, eles estão apoiando cem por cento."
21 de novembro
Em 21 de novembro, um dia depois de sua prisão, Michael manteve-se isolado enquanto promotores preparavam as acusações. O promotor de Justiça de Santa Bárbara, Tom Sneddon disse em comunicado que não apresentaria acusações formais contra Michael até o Dia de Ação de Graças a ser realizado em 27 novembro.


"As mentirascorrem a toda velocidade, mas a verdade corre maratonas. A verdade vai vencer essa maratona ante os tribunais", disse Michael em um comunicado

 23 de novembro
Em 23 de novembro,  para conter a onda de boatos e FALSAS VOZES, a equipe de Michael colocou uma página on-line (mjnews.us) e afirmou ser o único lugar onde poderiam ser encontradas  informações oficiais. No comunicado, Michael disse: 

"Para os meus fãs, amigos e família: 
Como vocês sabem, as acusações recentemente direcionadas a mim são terrivelmente graves. No entanto, elas são parte de uma grande mentira. Isso será mostrado no tribunal, e vamos poder colocar esses momentos horríveis no passado. Dada a seriedade das acusações, espero que todos vocês entendam que, como meus advogados tem me recomendado,  vou estar limitado em relação ao que  posso dizer sobre a situação. Haverá momentos em que poderei fazer comentários, não há dúvidas.   Isso será frustrante para todos nós. Por esta razão eu coloquei em andamento este site, que é para servir como uma fonte de comunicados oficiais sobre o meu caso. Qualquer comunicado que não apareça neste website deve ser considerada sem autorização.
Vocês estão no seu direito de serem céticos com respeito a algumas das pessoas que estão sendo identificados na mídia de massa como meus amigos, porta-vozes e advogados. Com muito poucas exceções, a maioria deles estão simplesmente preenchendo um vazio em nossa cultura que iguala a "visibilidade" com "intromissão". Agradeço a todos pelo vosso apoio e compreensão. Deus abençoe a todos. Michael Jackson."

Comentário 
O cinismo de Tom Sneddon ao declarar que não apresentaria acusações formais contra Michael até o dia da Ação de Graças, realizado nos EUA em 27 de novembro. 
Tom Sneddon esperou até novembro, no exato período em que o álbum Number Ones seria lançado para colocar algema em seus pulsos e humilhá-lo. Estava tão empenhado em fazer justiça com uma menino - Gavin Arvizo - que esperou, de forma proposital, durante NOVE MESES para emitir uma ordem de prisão contra Michael.
Se você é uma autoridade e tem poder para conduzir uma investigação, ficaria esperando todos esses meses - de fevereiro a novembro de 2003 - deixando um suposto criminoso às soltas, sabendo que ele pode praticar outros crimes?
Não tomaria as medidas cabíveis logo de início e procuraria acelerar o processo para que a justiça fosse feita?
Ele não fez isso. Esperou o mês e o dia que mais lhe dava prazer ÚNICA e EXCLUSIVAMENTE para começar a concretizar uma VINGANÇA que tinha contra Michael há dez anos. Já que não conseguiu colocá-lo atrás das grades em 1993, 2003 seria a oportunidade ÚNICA e IMPERDÍVEL.
E ainda convidou Diane Dimond, sua fiel escudeira,  para acompanhar policiais em Santa Bárbara.
Tom Sneddon - assim como o juiz que conduziu o caso de Michael -  Rodney Melville - tem histórias em comuns para contar, diretamente do condado de Santa Bárbara.
Não, não é somente Tom Sneddon que possui um currículo questionável. Esse juiz também.
Como foi comentado na outra postagem, Michael foi SALVO nesse julgamento.

" Vocês estão no seu direito de serem céticos com respeito a algumas das pessoas que estão sendo identificados na mídia de massa como meus amigos, porta-vozes e advogados. Com muito poucas exceções, a maioria deles estão simplesmente preenchendo um vazio em nossa cultura que iguala a "visibilidade" com "intromissão."
Michael disse tudo nesse comunicado e certamente dá para contar nos dedos a quantidade de jornalistas que se dignaram a falar que representam aquilo que Michael realmente foi.
Perfeito quando ele diz que a maioria está preenchendo um vazio na nossa cultura.
É exatamente isso o que ocorre: incentivo às pessoas a querer saber mais e mais sobre a vida privada de famosos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário