Os conteúdos expostos nesta página não têm fins lucrativos. Tem como único objetivo defender a inocência de Michael Jackson.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

A AMEAÇA DE MORTE CONTRA MICHAEL EM 2004

Em 16 de agosto de 2004, Michael recebeu uma AMEAÇA DE MORTE VIA E-MAIL. A mensagem afirmava que ele SOFRERIA UM ATENTADO NO TRIBUNAL DE SANTA MARIA, onde se apresentaria para uma audiência. 
A mensagem dizia que Michael não iria conseguir chegar até o carro e que coletes à prova de bala são mais frágeis embaixo do braço.
Em outro e-mail foi informado que Michael havia escapado do atentado por ter policiais a sua frente.

"O policial em um terno verde e camisa azul estava no caminho. Talvez da próxima vez."
A polícia rastreou as mensagens e chegou a um endereço  em Kitchener, Ontário/Canadá. Tal endereço levou a Adrian Poffley, então com 26 anos, que foi acusado de enviar a ameaça de morte e foi intimado a comparecer no tribunal em setembro daquele mesmo ano.
Em 23 de novembro, Adrian Poffley confessou sua culpabilidade e ASSUMIU a autoria do e-mail que ameaçava Michael Jackson de morte. Foi sentenciado a um ano de prestações de serviços à comunidade, que tem caráter educativo e permaneceu em liberdade condicional.
Segundo informações do tribunal de Ontário na época, o rapaz havia deixado de tomar remédios prescritos para depressão e ansiedade uma semana antes do envio da primeira mensagem e que estava acompanhando o caso de Michael. 

Comentário
Simples e-mails contendo AMEAÇA DE MORTE. Se já não bastasse estar sendo acusado por crimes que NUNCA cometeu, ainda recebeu ameaça de morte durante o julgamento.
O que teria acontecido se Michael tivesse sido atingido?
Melhor nem pensar na tragédia que viria depois, qualquer que fosse o desdobramento de um caso como este.
Com remédios ou sem remédios, as ameaças aconteceram e esse rapaz estava acompanhando o circo midiático em torno de Michael. Poderia ter terminado em tragédia, SIM
E aí, novamente se discute o papel da mídia na vida de Michael e em tantos outros casos que acontecem e que colocam em questão a cobertura que se faz.
Esse rapaz mandou e-mail. E se não tivesse mandado? E se tivesse agido diretamente, sem aviso prévio?
Alguns podem dizer: John Lennon foi assassinado friamente e não estava sendo acusado. O papa João Paulo II sofreu um atentado e outros casos que todos nós conhecemos.
Mas no caso de Michael, havia um julgamento em curso, não foi um fato isolado. Ele estava sendo acusado e a cobertura da mídia foi avassaladora, ele estava na pauta fazia quanto tempo? Havia ingredientes adicionais no caso dele.
Por tudo o que se sabe sobre todos os fatos que envolveram essas acusações contra Michael, sem dúvida alguma, nesse julgamento em particular, ele foi SALVO por Deus em primeiro lugar e por uma equipe de advogados liderada por uma pessoa humana como Thomas Mesereau.
DEUS COLOCOU A MÃO NESSE JULGAMENTO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário