Os conteúdos expostos nesta página não têm fins lucrativos. Tem como único objetivo defender a inocência de Michael Jackson.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

ELIZABETH TAYLOR EXPLICA A SITUAÇÃO DE MICHAEL DURANTE AS ACUSAÇÕES DE 1993

A turnê Dangerous forçosamente terminou para Michael em 11 de novembro de 93, pois a necessidade que ele fizesse uma recuperação para se livrar do vício em medicamentos não podia mais ser adiada. Chegou-se à conclusão de que o importante naquele momento era salvar sua vida, ao invés de se preocupar com sua imagem de superstar. Era a vida dele que estava em jogo.
Ficou resolvido, então, que ele iria para uma clínica de reabilitação, a Clínica Charter Nightingale em Londres. De início tentaram preservar sua privacidade, evitando ao máximo o assédio da imprensa que estava de plantão na frente da clínica para terem o prazer de registrar a sua entrada lá.
Mas, como Michael não estava em condições de esperar por mais tempo a ajuda médica, Liz Taylor não teve dúvidas e disse:
"Dane-se a imprensa! Ele precisa ser levado imediatamente para a clínica."
Como sempre, para preservar a privacidade de Michael, ele teve que entrar lá pela lavanderia. 
Mesma situação que ocorria quando ele chegava em hotéis em que não podia entrar pela porta da frente, mas sim pela cozinha.
Aqui está um vídeo com a explicação de Elizabeth Taylor sobre qual era a REAL CONDIÇÃO de seu amigo Michael. Ele reaalmente estava precisando de ajuda médica.
TRADUÇÃO
"Eu sofri e lidei com o mesmo tipo de problema médico que agora aflige meu amigo Michael Jackson. Por causa disso e por nossa amizade, quando os médicos ligaram perguntando se eu poderia ajudar, fiquei contente em intervir.
Viajei até a cidade do México, onde vi com meus próprios olhos que Michael precisava de atenção médica especializada.  Por minha própria experiência em vício em remédios com receita, pude fazer uma série de ligações em busca do melhor e mais apropriado tratamento para o Michael.
Ele agora está fazendo esse tratamento na Europa.
Só repetirei que sou amiga de Michael Jackson, eu o amo como a um filho e o apoio de todo o coração."

Elizabeth Taylor SEMPRE defendeu e ajudou Michael nas acusações que ele sofreu. Em 1995, ela foi firme e segura ao ser entrevistada pela maliciosa jornalista (?) Diane Sawyer que praticamente só faltou perguntar se ela tinha certeza de que Michael não era pedófilo.  A sequência, para quem não viu e/ou não se lembra foi esta:

L.T.: Liz Taylor
D. S.: Diane Sawyer

D.S.: Não houve nenhum momento em que você disse a si mesmo, lendo tudo o que todos estavam lendo...
'talvez seja verdade, acho que eu não compreendi quem ele é por completo'?
L.T.: De jeito nenhum, absolutamente não!
D.S: Nunca?
L.T.: Nunca! Eu conheço o coração do Michael. Conheço sua mente e sua alma. Não sou tão insensível assim, principalmente com ele, com pessoas que eu amo.
D.S: Por que você decidiu ir para Cingapura?
L.T.: Ele é meu amigo e estava sozinho, totalmente sozinho! E ele precisava de ajuda. Nada no mundo poderia machucá-lo mais.
Se tivessem calculado, planejado um assassinato, daria na mesma. Isso quase partiu o coração dele.
D.S. comenta sobre L.T.: 'Ela disse que reconheceu o amigo que estava usando analgésicos para escapar de tudo'.
L.T.: Ele não sabia o que estava acontecendo. Estava enganando a sua dor. Mas é bastante assustador porque eu já passei por isso. E eu sei como é fácil chegar lá quando se tem uma dor física ou emocional.
D.S.: E ele soube imediatamente o que devia fazer para lidar com isso...
L.T.: Não imediatamente. Imediatamente não, mas soube.

Comentário
Segundo Charles Thonsom, que faz parte do grupo de jornalistas que se dispuseram a defender Michael, esta jornalista ( ? ) , após a absolvição de Michael em 2005, fez o seguinte comentário:

"The following day on Good Morning America, Diane Sawyer upheld the notion that the verdict had been influenced by Jackson's celebrity status. 'Are you sure?' she pleaded. 'Are you sure that this gigantically renowned guy walking into the room had no influence at all?' "
TRADUÇÃO
"No dia seguinte (um dia depois do julgamento), no Good Morning America, Diane Sawyear manteve a noção de que o veredito pelo status que Jackson tinha como celebridade. "Você tem certeza?", ela confessou. 'Você tem certeza que esse cara gigantescamente renomado entrando na sala, não teve nenhuma influência em tudo?'"
Palavras de Charles Thomson no artigo que intitulou como "Um dos mais vergonhosos episódios da história jornalística"

Bata ver o jeito como ela olha e faz perguntas para as pessoas. A fisionomia dela diz tudo. Só falta mesmo olhar seus entrevistados de cima em baixo para ver a roupa, o sapato, o brinco, tudo o que a pessoa "tem". Para ela, aparência é tudo.
É mestre em colocar as pessoas em situação desconfortável perante suas perguntas e colocações. 

Sites referentes à  Clínica em que Michael fez sua recuperação:

http://www.privatehealthcare.co.uk/hospitaltreatment/find-a-treatment/psychiatric/psychiatric-findaclinic/?EntryId12=25947&ShowMap=true

Nenhum comentário:

Postar um comentário